Androginia
A internet pode se tornar vício e afetar o emocional dos internautas
A Natação e o Desenvolvimento Psicológico e Social
A Nova Mulher de 30 anos
A Transição do Ambiente Familiar para a Vida Escolar
Carreira de Modelo e suas implicações psicológicas
Cleptomania
Contas e Compras na Adolescência
Desapego
Economia da Felicidade
Estresse
Jovens Voluntários
Medo de se submeter à Ressonância Magnética
Meu Papai Noel
Morar com os Pais aos 30 anos
Os Novos Vilões da Vida a Dois
Profissão e Satisfação
Síndrome de Burnout
Síndrome do Ninho Vazio
Suicídio
Superproteção Parental
Terapia: Do divã para o sofá
Transtorno de Déficit de Atenção
Vestibular
Viciados em Exercícios Físicos
Vida de Solteiro
Psicóloga Clínica com Abordagem Psicanalítica
InícioArtigosEntrevistasPalestrasMeu BlogParceriasLivrosFacebookInstagram
Síndrome do Ninho Vazio

- "Síndrome do Ninho Vazio" - entrevista realizada comigo para a "Nossa Rádio" 91.5 FM - São José dos Campos - SP. 

- "Síndrome do Ninho Vazio" - matéria feita comigo e publicada no Jornal de Piracicaba, caderno "Educação" - Piracicaba - SP:

- Quais as principais mudanças que ocorrem em uma família quando um filho deixa a casa dos pais para fazer faculdade fora?

 Entre as mudanças mais comuns em uma família quando os filhos saem de casa podemos citar:

- Perda de sentido na vida dos pais e consequente desestabilização da vida conjugal parental;

- Sentimento de culpa nos filhos por terem deixado o lar.

 - Você aconselha os pais a deixarem seus filhos estudarem em outra cidade? Por que?

 Sim, se estiver dentro do orçamento e das possibilidades da família. Essa etapa permite o então adolescente assumir responsabilidades que não teria morando com os pais, facilitando o seu ingresso na vida adulta.

 - É possível superar a saudade em uma hora dessas? Como?

 Sim, é possível. É necessária a conscientização por parte dos pais de que essa é uma etapa natural no desenvolvimento dos filhos e que eles cumpriram as etapas de criação e educação deles. Isso motivará os pais a resgatarem outras funções de suas vidas além da parental.

 - Qual a frequência saudável dos contatos entre a família e os filhos? Os pais podem, mesmo sem perceber, "sufocar" seus filhos em tal situação?

 Não há exatamente uma frequência saudável. O importante é que esses contatos não interfiram negativamente na vida dos filhos, gerando incômodos ou desavenças.  Tais interferências podem sufocar os filhos, principalmente no que diz respeito às novas responsabilidades e escolhas que farão nessa fase. É necessário respeitar os limites e a privacidade de ambas as partes.

 - Como as escolas e os cursinhos podem ajudar as famílias e os jovens no preparo para a vida universitária e a distância do lar?

 As escolas e cursinhos podem promover esclarecimentos para os jovens e suas famílias sobre os principais fenômenos aos quais estarão expostos ao entrarem nessa etapa de suas vidas. As palestras e os debates acompanhados por profissionais promovem orientações valiosas para essas pessoas, que muitas vezes, por desconhecerem tais fenômenos, não têm recursos internos para superarem tais dificuldades.

 - Há muitos estudantes que vão fazer universidade longe de casa e acabam voltando depois de algum tempo, eles também sentem saudade do ninho?

 Muitos voltam para a casa dos pais por necessidade. Outros por não conseguirem lidar com a saudade que sentem do ninho. Outros ainda, por não conseguirem lidar com a saudade que fizeram seus pais sentirem ao saírem de casa. Nenhum dos últimos dois casos é benéfico para o amadurecimento dos filhos.

- É possível encontrar um equilíbrio entre a vida universitária; os estudos, os amigos e a vida em família? É normal os interesses dos jovens se voltarem para o ambiente extrafamiliar nessa fase da vida?

 Sim, é possível, e essa busca pelo equilíbrio é um dos fatores que ajudarão o jovem a desenvolver todos os aspectos de sua vida adequadamente.

Nessa fase da vida, os jovens, ainda adolescentes em sua maioria, tendem a se voltar para o ambiente extrafamiliar em busca de novas descobertas e novos contatos sociais, com intuito inconsciente de fazerem novas identificações que auxiliarão na formação de sua identidade adulta, ainda em construção.

 - Quem normalmente sofre mais com a partida dos filhos, a mãe ou o pai? Por que?

 Antigamente, acreditava-se que era a mãe quem sofria mais com a partida dos filhos de casa. Hoje as pesquisas e os estudos mostram que independe do gênero: pai e mãe podem sofrer igualmente com a saída dos filhos de casa. Esse sofrimento será determinado pelo grau de dependência entre pais e filhos.