Androginia
A internet pode se tornar vício e afetar o emocional dos internautas
A Natação e o Desenvolvimento Psicológico e Social
A Nova Mulher de 30 anos
A Transição do Ambiente Familiar para a Vida Escolar
Carreira de Modelo e suas implicações psicológicas
Cleptomania
Contas e Compras na Adolescência
Desapego
Economia da Felicidade
Estresse
Jovens Voluntários
Medo de se submeter à Ressonância Magnética
Meu Papai Noel
Morar com os Pais aos 30 anos
Os Novos Vilões da Vida a Dois
Profissão e Satisfação
Síndrome de Burnout
Síndrome do Ninho Vazio
Suicídio
Superproteção Parental
Terapia: Do divã para o sofá
Transtorno de Déficit de Atenção
Vestibular
Viciados em Exercícios Físicos
Vida de Solteiro
Psicóloga Clínica com Abordagem Psicanalítica
InícioArtigosEntrevistasPalestrasMeu BlogParceriasLivrosFacebookInstagram
Estresse

Entrevista feita comigo para matéria publicada no Jornal O Vale, caderno "Viver" - São José dos Campos - SP.

- Existe alguma atitude criativa que pode ser adotada no dia a dia para aliviar o estresse?

O estresse é a soma de reações físicas e mentais a determinados estímulos estressores. Caso não seja possível eliminar os agentes estressores, uma boa forma de aliviá-los é adotar certas rotinas que direcionem o foco do indivíduo para momentos prazerosos e que promovam não somente o relaxamento, mas que reduzam os períodos de tempo sob influência desses agentes. Por exemplo, se o estresse for relacionado à carga de trabalho, o indivíduo pode se "desligar" desse fator fazendo alguns intervalos durante a jornada para se distrair com outros assuntos de seu interesse, evitando falar de trabalho durante as refeições que faz nesse ambiente, restringindo os assuntos de trabalho em momentos de lazer entre outros.

- Dá para ser imune ao estresse? Por quê?

Todo organismo apresenta seus limites físicos e mentais, e portanto está suscetível aos excessos que podem ser gerados por determinados estímulos externos. A resistência de cada organismo a tais estímulos varia de indivíduo para indivíduo.

- Quais são os comportamentos que intensificam o estresse?

Como mencionado, os fatores estressores variam de acordo com o indivíduo, assim como os comportamentos que alimentam tais fatores. Por exemplo, possuem mais chances de sofrer um alto grau de estresse pessoas que:

-preocupam-se excessivamente;

-têm dificuldade em lidar com as pressões de suas rotinas;

-possuem um alto grau de ansiedade;

-enervam-se facilmente e com frequência;

-possuem um elevado grau de perfeccionismo

-apresentam alto grau de competitividade;

-possuem determinados tipos de transtornos clínicos, como as obsessões e as fobias;

-apresentam baixa qualidade de vida, como má alimentação e transtornos relacionados ao sono;

-possuem baixo grau de satisfação pessoal e profissional, e etc.

- Não fazer nada para aliviar o estresse é prejudicial? Por quê?

 Sim. O estresse é uma condição extrema e possui a função de "alertar" o indivíduo sobre uma situação de desequilíbrio.

Por não ser o estado normal de funcionamento do organismo, se prolongado, pode trazer algumas complicações como:

-Alterações da pressão arterial;

-Sensação constante de cansaço;

-Diminuição da libido;

-Alterações do sono;

-gastrite e úlceras;

-dores de cabeça e dores no corpo;

-e uma grande variedade de doenças psicossomáticas.

Em casos mais graves, o indivíduo pode apresentar:

-depressão;

-Síndrome de Burnout, se relacionado ao trabalho;

-crises de ansiedade;

-ataques de pânico; entre outros.

- Qual é seu conselho para quem vive estressado?

 Atuar no alívio do estresse ajuda bastante, como através da prática de exercícios físicos, de atividades prazerosas, de uma alimentação saudável e etc. O mais importante, porém, é identificar o fator ou conjunto de fatores que estão gerando o estresse e econtrar uma forma de adequá-los às capacidades do indivíduo.