A Imagem Ideal e a Autoestima
Animais de Estimação: Companheiros para o Desenvolvimento Afetivo e da Auto Percepção
Bullying - O Círculo Vicioso da Agressividade
Entendendo a Adolescência - Por que é tão difícil crescer?
Eu preciso de Terapia?
Luto como processo natural da condição humana
Maternidade responsável: Um enfoque psicanalítico sobre a função materna
Os filhos saíram de casa e o silêncio tomou conta do lar - Entendendo a Síndrome do Ninho Vazio
Quando pensamentos e rituais nos fazem reféns - Transtorno Obsessivo Compulsivo - TOC
Responsabilidade Virtual
Síndrome de Burnout em Vestibulandos
Um olhar sobre a Função Paterna
Psicóloga Clínica com Abordagem Psicanalítica
InícioArtigosEntrevistasPalestrasParcerias Meu BlogPágina no FacebookInstagram
Bullying - O Círculo Vicioso da Agressividade

A sociedade atual vem sendo marcada por diversas formasde violência. Uma delas merece destaque não só pela crescente repercussão namídia mas principalmente pela devastação emocional que causa em suas vítimas: obullying.

Define-se bullying como uma série de ações agressivas –físicas ou psicológicas – de caráter intencional e repetitivo, na qual severifica uma marcante desigualdade de poder entre agressor e vítima. Com apopularização do termo bullying, muitas agressões estão sendo enquadradaserroneamente nessa categoria, e por isso é importante ressaltar que brigas ediscussões entre indivíduos em equilíbrio de poder não são consideradasbullying, assim como não o são brigas e discussões esporádicas.

O bullying pode ocorrer deforma direta ou indireta. A forma direta inclui agressões físicas e verbais explícitas,como violência física, xingamentos ou ofensas. A forma indireta abrange aexclusão e a discriminação sociais, como por exemplo, a disseminação de boatos sobrea vítima ou seu isolamento forçado de determinado grupo social. É fundamentalatentar que o bullying não envolve somente os agressores e as vítimas, mastodos aqueles indivíduos que são coniventes com essa prática, mesmo que nãoestejam envolvidos diretamente

Dentre os vários fatoresdesencadeadores da prática do bullying, um merece atenção: o praticante debullying tende a reproduzir as vivências de violência que ele próprio sofre oupresencia, em geral no seu meio familiar. Quando o indivíduo é vitimizado e sesente impotente em relação à agressão sofrida, torna-se difícil a elaboração dosofrimento vivenciado. Ao guardar para si tamanha carga de afeto prejudicial, eleacaba por encontrar na agressão a terceiros, sobre os quais pode exercer poder,uma “válvula de escape” para toda sua dor. Gera-se então um círculo vicioso deagressividade que dissemina cada vez mais sofrimentos. Porém, esse deslocamentoda carga agressiva para outros indivíduos tampouco resolve os prejuízosemocionais do agressor, que não somente vitimiza, mas é também escravo dessaescalada de violência.  

Para conseguirmos frear essaavalanche de agressividade, a sociedade precisa se conscientizar de que o preçopago por todos os envolvidos nos casos de bullying  é muito alto e deixa marcas que podem durartoda uma vida, como por exemplo: depressão, sentimentos intensos de raiva, deindignação e de auto depreciação, abuso de substâncias, e, em casos maisextremos, suicídios e homicídios.